Now Reading

Fórum para discussões gerais.

Moderadores: FallenAngelx, GoncaloBCunha, Drustann

Re: Now Reading

Mensagempor Fringway em 22 Mai 2018, 11:41

Foda demais, adicionado à longuíssima lista de leituras!
"Sing... And celebrate the chaos of this canvas that is night
Sing... But strike a chord of dissonance when harmony betrays to lure you blind into the light"
Avatar de usuário
Fringway
 
Mensagens: 5512
Data de registro: 12 Set 2005, 22:04
Localização: Belo Horizonte

Re: Now Reading

Mensagempor Fringway em 08 Jun 2018, 08:50

Tô lendo tão lentamente por falta de tempo, mas meu coração continua feliz com uma publicação dessas:

Uma seleção de 76 contos de Machado de Assis acaba de ser lançada nos EUA

De acordo com o The New York Times, edição oferece "ponto de vista diferente e valioso" sobre autor “insistentemente inclassificável”.

Imagem

Edit: coloquei a imagem no spoiler para não estragar o layout!

A obra de Machado de Assis - um dos maiores nomes da literatura brasileira - poderá conquistar novos fãs nos EUA a partir deste mês de junho.

Isso porque acaba de ser lançado no país um volume com 76 contos do escritor responsável por romances clássicos como Dom Casmurro e Memórias Póstumas de Brás Cubas.

The Collected Stories of Machado de Assis chega às livrarias pela editora Liveright, com tradução assinada por Margaret Jull Costa e Robin Patterson e prefácio do crítico Michael Wood.

Em resenha sobre a edição no jornal The New York Times, a crítica Parul Sehgal chama Machado de "insistentemente inclassificável" e descreve alguns episódios da vida do autor que podem explicar as origens da literatura a que os norte-americanos terão novo acesso.

Imagem

Neto mestiço de escravos libertos, Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 1839 e não gozou de educação formal. Na juventude, trabalhou como aprendiz de impressor e estudou de forma autodidata. Posteriormente, passou a escrever pequenos romances sobre as mulheres da elite da época.

"Mas em 1879 seu estilo mudou - ou melhor, floresceu. Uma doença crônica (ele sofria de epilepsia) e a quase perda da visão despertaram sua atenção", escreve Parul.

"O suave romântico se transformou em um irônico doente, cujas intromissões autorais, cortes secos e pequenas subversões influenciaram experimentalistas americanos como John Barth e Donald Berthelme", acrescenta.

Machado de Assis morreu em 1908, aos 69 anos, em decorrência de uma úlcera cancerosa na língua. Deixou uma obra plural composta de romances, contos, peças teatrais, poemas e centenas de crônicas.

"Para Stefan Zweig, Machado de Assis era a resposta brasileira a Charles Dickens. Para Allen Ginsberg, ele era um outro Franz Kafka. Harold Bloom chamou-o de descendente de Laurence Sterne, e Philip Roth o comparou a Samuel Beckett."

Segundo Parul, a obra de Machado de Assis não é contemplada em toda a sua extensão e profundidade em The Collected Stories of Machado de Assis. No entanto, o volume oferece "um ponto de vista diferente e valioso - especialmente para os leitores que gostam de estar atentos à vida e à arte".
"Sing... And celebrate the chaos of this canvas that is night
Sing... But strike a chord of dissonance when harmony betrays to lure you blind into the light"
Avatar de usuário
Fringway
 
Mensagens: 5512
Data de registro: 12 Set 2005, 22:04
Localização: Belo Horizonte

Re: Now Reading

Mensagempor Tio Priest em 08 Jun 2018, 11:30

Imagem

Lendo essa lindeza!! Já vi o filme uns anos atrás (elenco monstro), e resolvi ler o livro pro desafio livrada, e acho que o livro tem um lance político bem atual, principalmente BR (luta de classes, feminismo, golpe político, intervenção militar (os dois últimos acho que vai rolar pois ainda não li, é lembrança do filme)....o bom é que não recordo de muitos detalhes do filme e à medida que leio, vão se abrindo portas..... :up:
15 anos de MnV!!!!
Avatar de usuário
Tio Priest
Site Admin
 
Mensagens: 6226
Data de registro: 15 Fev 2003, 12:39
Localização: Visconde do Rio Branco - MG
Banda favorita: Judas Priest

Re: Now Reading

Mensagempor Vikström em 08 Jun 2018, 15:17

Priest, nunca li esse, mas minha companheira adora esse livro e vive puxando minha orelha pra ler também. Pior que eu tenho bastante curiosidade, mas ainda não rolou...

Fringway escreveu:Tô lendo tão lentamente por falta de tempo, mas meu coração continua feliz com uma publicação dessas:

Uma seleção de 76 contos de Machado de Assis acaba de ser lançada nos EUA

De acordo com o The New York Times, edição oferece "ponto de vista diferente e valioso" sobre autor “insistentemente inclassificável”.

Edit: coloquei a imagem no spoiler para não estragar o layout!

A obra de Machado de Assis - um dos maiores nomes da literatura brasileira - poderá conquistar novos fãs nos EUA a partir deste mês de junho.

Isso porque acaba de ser lançado no país um volume com 76 contos do escritor responsável por romances clássicos como Dom Casmurro e Memórias Póstumas de Brás Cubas.

The Collected Stories of Machado de Assis chega às livrarias pela editora Liveright, com tradução assinada por Margaret Jull Costa e Robin Patterson e prefácio do crítico Michael Wood.

Em resenha sobre a edição no jornal The New York Times, a crítica Parul Sehgal chama Machado de "insistentemente inclassificável" e descreve alguns episódios da vida do autor que podem explicar as origens da literatura a que os norte-americanos terão novo acesso.

Imagem

Neto mestiço de escravos libertos, Joaquim Maria Machado de Assis nasceu em 1839 e não gozou de educação formal. Na juventude, trabalhou como aprendiz de impressor e estudou de forma autodidata. Posteriormente, passou a escrever pequenos romances sobre as mulheres da elite da época.

"Mas em 1879 seu estilo mudou - ou melhor, floresceu. Uma doença crônica (ele sofria de epilepsia) e a quase perda da visão despertaram sua atenção", escreve Parul.

"O suave romântico se transformou em um irônico doente, cujas intromissões autorais, cortes secos e pequenas subversões influenciaram experimentalistas americanos como John Barth e Donald Berthelme", acrescenta.

Machado de Assis morreu em 1908, aos 69 anos, em decorrência de uma úlcera cancerosa na língua. Deixou uma obra plural composta de romances, contos, peças teatrais, poemas e centenas de crônicas.

"Para Stefan Zweig, Machado de Assis era a resposta brasileira a Charles Dickens. Para Allen Ginsberg, ele era um outro Franz Kafka. Harold Bloom chamou-o de descendente de Laurence Sterne, e Philip Roth o comparou a Samuel Beckett."

Segundo Parul, a obra de Machado de Assis não é contemplada em toda a sua extensão e profundidade em The Collected Stories of Machado de Assis. No entanto, o volume oferece "um ponto de vista diferente e valioso - especialmente para os leitores que gostam de estar atentos à vida e à arte".


Cara, eu li a resenha que saiu no New York Times ontem e confesso que deu aquela aquecida no coração. Muito bacana ver esse tipo de repercussão positiva da cultura literária brasileira lá fora, ainda mais um cara que anda injustamente esquecido (fora da academia, claro).
Editado pela última vez por Vikström em 08 Jun 2018, 17:49, num total de 1 vezes
Avatar de usuário
Vikström
 
Mensagens: 21629
Data de registro: 11 Jun 2005, 14:26
Localização: Curitiba

Re: Now Reading

Mensagempor Fringway em 08 Jun 2018, 17:47

Pois é, eu fiquei felizão com isso! Há uns três anos eu reli Memórias Póstumas e Dom Casmurro. O cara é muito foda, muito foda mesmo. Em alguns momentos, a leitura dele é pesadíssima, mas esses momentos sempre vêm intercalados por partes irônicas e sarcásticas absurdamente divertidas. Ele é um crítico fantástico da sociedade brasileira da época, principalmente em seus contos. Eu até queria ver a adaptação para cinema com a Monica Iozzi que fizeram da "Igreja do Diabo", um conto sensacional.

Sonho meu era comprar aqueles boxes com a obra completa do Machado, mas não é lá muito barato! Um dia eu compro, ainda que provavelmente a obra completa dele seja a 2 reais no Kindle :blub:
_______________

Interessante o que você disse desse livro da Allende! Minha mãe leu e adorou, mas ele nunca me chamou a atenção, esse nome não é lá dos mais convidativos, então sempre tinha deixado de lado! Vou conferir depois!
"Sing... And celebrate the chaos of this canvas that is night
Sing... But strike a chord of dissonance when harmony betrays to lure you blind into the light"
Avatar de usuário
Fringway
 
Mensagens: 5512
Data de registro: 12 Set 2005, 22:04
Localização: Belo Horizonte

Re: Now Reading

Mensagempor Fringway em 15 Jun 2018, 17:02

Galera, queria saber se vocês têm o costume de ler poesia. Eu conheço pouco do estilo e sempre acho o mundo da poesia dificílimo de assimilar: ao mesmo tempo em que eu encontro alguns poemas absurdamente foda e mais sensacionais do que livros inteiros, muitas vezes eu vejo cada poesia tão sem graça, tão insossa e, muitas vezes, apenas absurdamente prepotente. Queria saber como vocês lidam com isso nesse estilo: gostam de pegar coletâneas com as melhores poesias ou simplesmente aceitam que para encontrar boas poesias você tem que passar por muita coisa ruim?

Eu pergunto isso, porque sempre quis entender mais do mundo poético, mas às vezes, quando me deparo com algumas obras, eu me sinto um pouco sem sensibilidade para esse lirismo.
"Sing... And celebrate the chaos of this canvas that is night
Sing... But strike a chord of dissonance when harmony betrays to lure you blind into the light"
Avatar de usuário
Fringway
 
Mensagens: 5512
Data de registro: 12 Set 2005, 22:04
Localização: Belo Horizonte

Re: Now Reading

Mensagempor Vikström em 15 Jun 2018, 19:33

Poesia é complicado. Eu confesso que até uns 2 anos atrás não me interessava muito. Trabalhei um período numa livraria e aprendi a gostar, principalmente por influência de uma colega de apenas 18 anos na época. Comentei que tinha dificuldade e ficou claro pra mim, com os comentários dela, que eu buscava na poesia uma racionalidade que não existia. Ela está mais próxima de uma arte plástica do que a prosa, que eu vejo como mais próxima do cinema, por exemplo.

Como você aprecia uma boa pintura? Não existe uma forma correta de entender o que está ali. Mas a frase da Luana pra mim foi: "Você lê, e se a coisa fizer sentido e ressoar dentro de você, é isso". Levei aquilo comigo, peguei uns bons poetas e poetisas pra ler e a magia se operou.

A experiência é muito relativa, a depender de quem escreve. Diferente da prosa, as diferenças de estilo, autor e movimento literário são muito mais evidentes. Eu me irrito profundamente com o romantismo brasileiro, por exemplo, e detesto o que o nossos pré-modernistas fizeram, com todos aqueles experimentalismo. Aliás, não gosto de experimentalismos, a coisa se perde pra mim. A forma como aprendi a gostar de poesia é entendo ela numa dimensão subjetiva, mais afetiva e deixando de lado a racionalidade - que, claro, está presente, mas não é o principal.

Dos últimos livros que li, gostei muito do Inferno, do Dante. Confesso que ia no dicionário uma meia dúzia de vezes a cada duas páginas, mas deu pra dar aquela expandida monstra no vocabulário! Li A Rosa do Povo, do Drummond, também, e virou um dos meus livros favoritos. O cara era genial. Também gostei de alguns livros da Hilda Hilst e da Adélia Prado, mas acho que atualmente a minha poeta favorita é a Wislawa Szymborska. Admiro muito essa mulher.

Eu me sinto numa necessidade crescente de ler poesia por vários fatores. O primeiro é pra dar aquela ampliada no vocabulário e dominar melhor a língua. O segundo tem a ver com uma capacidade de abstração e de fazer conexões mentais que eu vejo que estão ficando enferrujadas com o tempo. Acho que essas conexões de que falo podem ser boas na hora de se expressar de diferentes formas, e não tem gênero melhor pra aprender com isso do que a poesia, que te obriga a umas acrobacias mentais pra extrair alguma coisa.

É isso, não gosto de escrever demais, mas a criança acabou crescendo. :lol:
Avatar de usuário
Vikström
 
Mensagens: 21629
Data de registro: 11 Jun 2005, 14:26
Localização: Curitiba

Re: Now Reading

Mensagempor Fringway em 15 Jun 2018, 19:54

Pois é, talvez o meu grande problema na poesia seja buscar sempre um sentido no que está sendo dito. Tanto é que minhas poesias favoritas são, de fato, racionalmente bem construídas, como, por exemplo, A tabacaria, José, e A flor e a náusea. Tem uma do Rilke que é fantástica, totalmente baseado em uma história da mitologia, só não me lembro de qual. Cecília Meireles é outra que tem umas poesias pesadíssimas e que muito me agradam, mas a linguagem dela já é um pouco mais etérea e sua poesia, muitas vezes, é mais uma imagem do que um raciocínio. De qualquer forma, eu gosto muito.

Eu tenho um livro de Coletânea de poesias do Drummond que tem muitíssima coisa boa, mas é tanta poesia e são tantas fases diferentes, que eu fico um pouco perdido, além de muitas poesias dele não me tocarem como outras. É um negócio estranho!

Nunca li nada da Wislawa, vou dar uma procurada depois e ver o que eu acho. De autores estrangeiros, eu gosto bastante do Rilke e de alguns poemas do Poe. O maior problema, pra mim, é encontrar traduções confiáveis: eu sempre acho que, principalmente na poesia, há uma enorme perda de ritmo e de imagens; por outro lado, ler essas poesias no original é, muitas vezes, foda pra caralho. Se em português a linguagem poética já é difícil, quem dirá as poesias em língua estrangeira! :lol:

Em relação aos autores brasileiros, eu tenho que dizer que mesmo alguns mais antigos me agradam bastante, mas talvez seja um sentimento nostálgico: Versos íntimos, do Augusto dos Anjos, Vou-me Embora pra Pasárgada, do Manuel Bandeira. O Vinícius de Moraes também tem umas poesias excelentes. E eu sou um grande fã do Fernando Pessoa e de seus heterônomos (sim, sei que não é brasileiro, mas não podia não falar dele).

A verdade é que eu queria um livro que reunisse a poesia essencial brasileira e, daí, sair buscando o que ler.

Já que você citou Dante, fica uma pergunta: já leu alguma coisa do Goethe ou do Schiller? Eles têm excelentes peças, todas escritas em forma de poesia. Os bandoleiros e Guilherme Tell do Schiller são clássicos. E Fausto é uma que eu sempre quis ler, mas que tá difícil de ter ânimo para pegar!

Vikström escreveu:mas deu pra dar aquela expandida monstra no vocabulário!

Isso é tão difícil de se fazer. Eu aprendo tantas palavras novas, mas grande parte do tempo eu as reconheço de forma passiva, embora não as utilize. Tudo bem, eu não escrevo com uma frequência tão grande e, quando o faço, minha linguagem é mais técnica do que literária, então acabo perdendo a chance de colocar em prática o que aprendo com minhas leituras!

Edit: como eu poderia deixar de citar o Brecht? Ele é um cara que tem excelentes poesias!
"Sing... And celebrate the chaos of this canvas that is night
Sing... But strike a chord of dissonance when harmony betrays to lure you blind into the light"
Avatar de usuário
Fringway
 
Mensagens: 5512
Data de registro: 12 Set 2005, 22:04
Localização: Belo Horizonte

Re: Now Reading

Mensagempor Tio Priest em 17 Jun 2018, 21:43

Cara, sou meio cabaço na leitura, então ainda não encarei poesias....


Acabei de ler A Casa dos Espíritos e mano, muito foda!! Eu sabia que teria uma boa aceitação do livro pois o filme sempre foi algo memorável na minha mente...o final é angustiante pois envolve o golpe militar chileno, uma das personagens é torturada e tal....é difícil acreditar que pessoas queiram ainda que o acusador, seja seu juiz e realize a pena nos dias de hoje e que ainda justifiquem tortura..... :bad:
15 anos de MnV!!!!
Avatar de usuário
Tio Priest
Site Admin
 
Mensagens: 6226
Data de registro: 15 Fev 2003, 12:39
Localização: Visconde do Rio Branco - MG
Banda favorita: Judas Priest

Re: Now Reading

Mensagempor Fringway em 21 Jun 2018, 19:24

Galerinha do sci-fi: todo o site da Aleph está com 50% off!
"Sing... And celebrate the chaos of this canvas that is night
Sing... But strike a chord of dissonance when harmony betrays to lure you blind into the light"
Avatar de usuário
Fringway
 
Mensagens: 5512
Data de registro: 12 Set 2005, 22:04
Localização: Belo Horizonte

Re: Now Reading

Mensagempor Vikström em 21 Jun 2018, 20:39

Fringway escreveu:Já que você citou Dante, fica uma pergunta: já leu alguma coisa do Goethe ou do Schiller? Eles têm excelentes peças, todas escritas em forma de poesia. Os bandoleiros e Guilherme Tell do Schiller são clássicos. E Fausto é uma que eu sempre quis ler, mas que tá difícil de ter ânimo para pegar!

Vikström escreveu:mas deu pra dar aquela expandida monstra no vocabulário!

Isso é tão difícil de se fazer. Eu aprendo tantas palavras novas, mas grande parte do tempo eu as reconheço de forma passiva, embora não as utilize. Tudo bem, eu não escrevo com uma frequência tão grande e, quando o faço, minha linguagem é mais técnica do que literária, então acabo perdendo a chance de colocar em prática o que aprendo com minhas leituras!

Edit: como eu poderia deixar de citar o Brecht? Ele é um cara que tem excelentes poesias!


Só li Goethe, mas não era poesia, mas Os Sofrimentos do Jovem Werther. Cheguei a ter o Fausto, mas o livro se perdeu e nem sei como.

Desses que escreveram em língua alemã eu li as Elegias de Duíno, do Rilke. Não tenho nem palavras pra descrever a experiência, o livro é fantástico!
Avatar de usuário
Vikström
 
Mensagens: 21629
Data de registro: 11 Jun 2005, 14:26
Localização: Curitiba

Re: Now Reading

Mensagempor Vikström em 21 Jun 2018, 20:40

Fringway escreveu:Galerinha do sci-fi: todo o site da Aleph está com 50% off!


Tô extremamente fodido de grana e desempregado. :raiva:
Avatar de usuário
Vikström
 
Mensagens: 21629
Data de registro: 11 Jun 2005, 14:26
Localização: Curitiba

Re: Now Reading

Mensagempor Fringway em 21 Jun 2018, 20:42

O Rilke é outro fodido. Eu tenho um livro de poesias dele, mas algumas das poesias dele são difíceis pra cacete, cheias de referências, exigindo uma erudição que eu estou longe de ter :lol:

Pois é, também adoraria comprar livros, mas tô sem espaço, tô sem dinheiro e tenho livros sobrando no meu armário. Vai ter que ficar pra próxima mesmo!
"Sing... And celebrate the chaos of this canvas that is night
Sing... But strike a chord of dissonance when harmony betrays to lure you blind into the light"
Avatar de usuário
Fringway
 
Mensagens: 5512
Data de registro: 12 Set 2005, 22:04
Localização: Belo Horizonte

Re: Now Reading

Mensagempor Tio Priest em 23 Jun 2018, 13:03

Tenho que matar a fila de livros que comprei na última promo da Saraiva....vida nova só lá pra Outubro ou Novembro. :lol:
15 anos de MnV!!!!
Avatar de usuário
Tio Priest
Site Admin
 
Mensagens: 6226
Data de registro: 15 Fev 2003, 12:39
Localização: Visconde do Rio Branco - MG
Banda favorita: Judas Priest

Re: Now Reading

Mensagempor Keeper em 23 Jun 2018, 22:05

Tio Priest escreveu:Cara, sou meio cabaço na leitura, então ainda não encarei poesias....


Acabei de ler A Casa dos Espíritos e mano, muito foda!! Eu sabia que teria uma boa aceitação do livro pois o filme sempre foi algo memorável na minha mente...o final é angustiante pois envolve o golpe militar chileno, uma das personagens é torturada e tal....é difícil acreditar que pessoas queiram ainda que o acusador, seja seu juiz e realize a pena nos dias de hoje e que ainda justifiquem tortura..... :bad:

Assisti o filme, horrível mesmo essa cena no final.

O último livro que li:
Imagem

É bem curto, apenas um conto, sobre um cara de um vilarejo que encontra o caminho para a terra das fadas, mas mesmo assim muito bom.
Imagem
Avatar de usuário
Keeper
 
Mensagens: 10803
Data de registro: 24 Dez 2004, 01:23
Localização: São José do Rio Pardo - SP
Banda favorita: Helloween/Gamma Ray

Re: Now Reading

Mensagempor Kpetão em 24 Jun 2018, 16:04

Fringway escreveu:O Rilke é outro fodido. Eu tenho um livro de poesias dele, mas algumas das poesias dele são difíceis pra cacete, cheias de referências, exigindo uma erudição que eu estou longe de ter :lol:

Pois é, também adoraria comprar livros, mas tô sem espaço, tô sem dinheiro e tenho livros sobrando no meu armário. Vai ter que ficar pra próxima mesmo!


Poema épico.

Imagem
Imagem
Avatar de usuário
Kpetão
 
Mensagens: 21398
Data de registro: 08 Fev 2004, 20:05
Banda favorita: Metallica

Re: Now Reading

Mensagempor Fringway em 25 Jun 2018, 09:35

Esse é famosão mesmo, tenho vontade de ler!
"Sing... And celebrate the chaos of this canvas that is night
Sing... But strike a chord of dissonance when harmony betrays to lure you blind into the light"
Avatar de usuário
Fringway
 
Mensagens: 5512
Data de registro: 12 Set 2005, 22:04
Localização: Belo Horizonte

Re: Now Reading

Mensagempor Tio Priest em 25 Jun 2018, 10:34

Keeper escreveu:Assisti o filme, horrível mesmo essa cena no final.


No livro, quem é presa e torturada é a neta, provavelmente com uns 16/18 anos....vi o filme nesse fim de semana.....
15 anos de MnV!!!!
Avatar de usuário
Tio Priest
Site Admin
 
Mensagens: 6226
Data de registro: 15 Fev 2003, 12:39
Localização: Visconde do Rio Branco - MG
Banda favorita: Judas Priest

Re: Now Reading

Mensagempor Vikström em 25 Jun 2018, 11:29

Tô fazendo um mestrado maluco. Tecnicamente é em psicologia, mas a minha orientadora trabalha num território indefinido entre a filosofia da linguagem e a psicologia histórico-cultural (Vygotski, Luria, Leontiev e o que veio dessa galera). O principal autor que tenho estudado é o Mikhail Bakhtin, então tenho lido os livros dele e do círculo dele (Volochinov, Medvedev etc), além de artigos científicos na área. Mas aí, como meu objeto de estudo é a mídia, tô tendo que ler uns textos da área da comunicação também, pelo menos pra trazer alguns conceitos.

Agora, por opção própria mesmo, o que tenho lido são duas coisas:

Umberto Eco # Confissões de um jovem romancista
Imagem

So far, so good! Gosto muito da simpatia e da erudição do Umberto Eco, que consegue unir o melhor dos dois mundos: ser um intelectual fodão e acessível, sem soar pedante. Dizem que o livro fica meio merda lá pro final, mas ainda tô na metade e gostando muito. Tenho lido essas coisas sobre o ato de escrever pois faz tempo que tenho esse plano de escrever um romance e tenho um aqui começado que se recusa a ir adiante.

Bahiyyih Nakhjavani # O alforje
Imagem

Livro da TAG, não lembro de qual mês. Eu não assino mais, mas peguei emprestado com uma chegada e até agora tô curtindo. Nunca tinha lido nada de literatura vindo do Irã.
Avatar de usuário
Vikström
 
Mensagens: 21629
Data de registro: 11 Jun 2005, 14:26
Localização: Curitiba

Re: Now Reading

Mensagempor Fringway em 25 Jun 2018, 12:07

Como disse, eu sempre tive vontade de assinar a TAG. Mas é foda, tanto porque fica caro, como porque eu não tenho tido tanto tempo pra ler. Eu acho que ia ficar desesperado com a quantidade de livros acumulando e eu me vendo obrigado a ler o que a TAG me mandava, se eu não conseguisse ler pelo menos dois livros por mês :lol:
"Sing... And celebrate the chaos of this canvas that is night
Sing... But strike a chord of dissonance when harmony betrays to lure you blind into the light"
Avatar de usuário
Fringway
 
Mensagens: 5512
Data de registro: 12 Set 2005, 22:04
Localização: Belo Horizonte

Re: Now Reading

Mensagempor Keeper em 25 Jun 2018, 20:30

Tio Priest escreveu:No livro, quem é presa e torturada é a neta, provavelmente com uns 16/18 anos....vi o filme nesse fim de semana.....

E esses acéfalos que pedem a volta disso aqui nem se importam com pessoas sofrendo isso, tem vários que até acham "engraçado".
Imagem
Avatar de usuário
Keeper
 
Mensagens: 10803
Data de registro: 24 Dez 2004, 01:23
Localização: São José do Rio Pardo - SP
Banda favorita: Helloween/Gamma Ray

Re: Now Reading

Mensagempor Vikström em 25 Jun 2018, 20:57

Fringway escreveu:Como disse, eu sempre tive vontade de assinar a TAG. Mas é foda, tanto porque fica caro, como porque eu não tenho tido tanto tempo pra ler. Eu acho que ia ficar desesperado com a quantidade de livros acumulando e eu me vendo obrigado a ler o que a TAG me mandava, se eu não conseguisse ler pelo menos dois livros por mês :lol:


Eu já tô conformado que vou passar dois anos lendo quase nada de literatura, mas a perspectiva é triste. É foda ver a pilha se agigantando mais rápido do que você tem capacidade pra ler, mas não me incomodo tanto. Tem uma frase de um autor, não lembro se é o Eco ou o Borges, que era mais ou menos como "não há nada como uma biblioteca cheia de livros não lidos". Seja quem for, concordo. :lol:

Mas no momento assinar seria perda de dinheiro, já que não lerei e prefiro comprar os volumes isoladamente posteriormente porque a grana ultimamente tá beeeem curta.
Avatar de usuário
Vikström
 
Mensagens: 21629
Data de registro: 11 Jun 2005, 14:26
Localização: Curitiba

Re: Now Reading

Mensagempor Monochromatic Stains em 26 Jun 2018, 15:48

Vikström escreveu:So far, so good! Gosto muito da simpatia e da erudição do Umberto Eco, que consegue unir o melhor dos dois mundos: ser um intelectual fodão e acessível, sem soar pedante. Dizem que o livro fica meio merda lá pro final, mas ainda tô na metade e gostando muito. Tenho lido essas coisas sobre o ato de escrever pois faz tempo que tenho esse plano de escrever um romance e tenho um aqui começado que se recusa a ir adiante.


É cara não é fácil mesmo escrever, seja ficção ou não ficção. Esse bloqueio que está acontecendo com você creio que é algo normal, acontece mesmo. Eu também tenho esse plano de escrever um romance mas primeiro queria escrever um livro de contos, tenho aqui o esboço de cerca de dez contos que comecei mas não fui adiante e já tem uns dois anos que não voltei a eles. :lol:

Acho que é bom aproveitar quando tiver um momento de inspiração e escrever bastante para depois voltar com paciência e ir corrigindo e modificando o que escreveu.
" I’m not interested in writing short stories. Anything that doesn’t take years of your life and drive you to suicide hardly seems worth doing. " Cormac McCarthy
Avatar de usuário
Monochromatic Stains
 
Mensagens: 1508
Data de registro: 10 Dez 2005, 23:09
Localização: MG

Re: Now Reading

Mensagempor Fringway em 26 Jun 2018, 18:36

Imagem

A tirania do amor - Cristovão Tezza
Nota: 3,0

Para quem me viu detestando o livro no Facebook, essa nota pode parecer uma surpresa. Para mim foi uma surpresa, eu quase larguei o livro e no início tava pensando em dar nota 1,0 ou 2,0 para ele. Mas vamos pelo princípio.

O livro se foca no personagem Otávio Espinosa, um economista de alto gabarito acadêmico que trabalha em um banco. Ele sempre foi um homem dos números: capaz de realizar contas matemáticas com uma impressionante facilidade e encontrar qualquer raiz quadrada em questão de segundos, sua vida parece se resumir a isso. Emocionalmente frio, ele parece não se importar muito com o que acontece ao seu redor: alguns de seus chefes são presos por estarem envolvidos em um esquema de corrupção, enquanto o Brasil passa por um momento tumultuoso e sua única preocupação é como tudo isso vai afetar a Bolsa, o dólar e como suas previsões econômicas devem ser feitas. Talvez essa sua falta de sensibilidade humana justifique o porquê de ele ter declinado em seu banco e o porquê de seu maior trabalho acadêmico ter sido rejeitado por sua banca, afastando-o de maiores pretensões.

A história se passa em um dia na vida de Otávio. Um dia anormal em sua vida: tudo indica que ele vai ser demitido justamente no dia seguinte à descoberta da traição de sua mulher, o que também é uma consequência de suas idiossincrasias. Nesse dia, Otávio vive em um tumulto, o que faz com que a história seja contada de forma muito semelhante àquilo que vivemos quando temos insônia, deitamos e milhares de pensamentos passam por nossa cabeça. No mesmo parágrafo ele pensa em sua mulher e em como descobriu sua traição, pula para uma lembrança de uma ex namorada, de repente muda, na mesma frase, para o que o espera no escritório, para os problemas que tem com seu filho ou para o quanto ele gosta de sua filha.

Eu entendo porque muita gente não gostou do livro. Ele é um livro asséptico. Ele se passa em um ambiente politicamente tumultuado, vários conflitos pelo qual o Brasil tem passado aparecem ao longo do livro, mas de forma meramente circunstancial, sem que haja qualquer debate ou crítica social sobre o que está acontecendo - ou estava, já que o livro se passa em 2017 -, o que talvez reflita o ponto de vista altamente matemático do personagem. O único personagem ideologicamente posicionado é seu filho Daniel, que é retratado como um personagem de esquerda, mas retratado de forma quase caricatural, soltando chavões para todos os lados, mas sem adentrar nas questões importantes. Tudo bem, ele tem 16 anos e nessa idade muita gente é assim. Mas isso empobreceu o livro. Fora isso, Otávio e sua filha são tratados como de direita, mas não porque eles assim se consideram, mas porque Daniel diz que eles são de direita. A verdade é que a indiferença deles em relação a tudo o que está acontecendo não me convence que qualquer um deles tenha qualquer posicionamento ideológico.

A questão das cotas aparece em um breve momento, em que uma personagem negra se diz contra as cotas.

Mas é isso.

Curiosamente, quando eu percebi que esse livro era para ser lido de forma totalmente apartada de uma crítica social, eu comecei a me interessar pelo personagem e a perceber que ele tem muito mais nuances do que aquilo que é dito dele. Ele tem sim um lado emocional. Seus desejos e suas vontades foram muitas vezes negligenciados, muito provavelmente em consequência de sua própria negligência em relação aos outros. O posicionamento combativo de seu filho se mostra uma verdadeira resposta à sua preferência pela sua filha. E o desenrolar da história é interessante.

O maior problema, pra mim, foi uma questão estilística. Como eu disse, a história é contada de forma tumultuada. Em alguns parágrafos você encontra frases longas que se passam por diversos momentos da vida de Otávio, sem deixar claro de a que momento se referem, e tais frases vêm frequentemente interrompidas por travessões com longuíssimos pensamentos que, por sua vez, trazem parênteses com outras ideias e momentos absurdamente diversos. Isso me irritou bastante ao longo do livro, mas principalmente nas primeiras 50 páginas, esse estilo quase me fez abandonar o livro. Afinal de contas, o autor não apresenta os personagens de nenhuma forma clara e começa a jogar um monte de informações esparsas e desconexas para o leitor. Mas depois de um tempo, lá pros 25% do livro, você começa a se acostumar com o estilo e a conhecer melhores todas as situações e momentos retratados pelo autor, então a forma tumultuada de escrever ganha uma lógica e se justifica pela confusão mental pelo qual o personagem está passando.

No final das contas: não é uma obra que mudou minha vida, mas ela é bastante interessante, quando lida sem qualquer tipo de pretensão crítica.
"Sing... And celebrate the chaos of this canvas that is night
Sing... But strike a chord of dissonance when harmony betrays to lure you blind into the light"
Avatar de usuário
Fringway
 
Mensagens: 5512
Data de registro: 12 Set 2005, 22:04
Localização: Belo Horizonte

Re: Now Reading

Mensagempor Vikström em 26 Jun 2018, 19:06

Ótima resenha, Fring, como sempre. Todavia, acho que esse aí eu vou deixar passar. O tempo anda curto demais pra me aventurar em livro mais ou menos. :lol:

Já trombei o Tezza algumas vezes aqui. Ele sempre tá nos eventos de literatura, além de ser bem brother da minha orientadora porque ambos estudam (estudavam, ele saiu da UFPR) Bakhtin. É um sujeito bacana até. Pelo que entendi o posicionamento dele é mais à direita mesmo, mas é uma impressão minha só.
Avatar de usuário
Vikström
 
Mensagens: 21629
Data de registro: 11 Jun 2005, 14:26
Localização: Curitiba

AnteriorPróximo

Retornar para Bate Papo

Quem está online

Usuários vendo este fórum: Nenhum usuário registrado online e 5 visitantes